.>
Alguns conteúdos desta seção estão disponíveis apenas para quem estiver logado.
Caso tenha acesso, faça seu login aqui
postado sob 2020, exposição, história
foto reprodução
foto reprodução
foto reprodução
foto reprodução
foto reprodução
foto reprodução
+4

A mostra estará de 19 de fevereiro a 11 de maio no Centro Cultural Banco do Brasil, com entrada grátis.

O curador da exposição, Pieter Tjabbes explica que as peças são originárias do Museu de Turim, na Itália, o segundo maior acervo do mundo relacionado ao Egito antigo – atrás apenas do Museu do Cairo.

São 140 peças que mostram como era o dia a dia dos egípcios, sua relação com a religião e com a crença na vida após a morte. A preocupação de garantir uma boa vida pós-morte fazia com que os abastados gabastecessem as próprias tumbas, e com muita fartura de comida, artefatos, meios de transporte e outras riquezas.

A múmia em exposição é de uma mulher provavelmente muito rica, diz o curador, explicando que os processos de mumificação eram diferenciados em qualidade e preço. Essa múmia foi tratada com técnicas primorosas, muito custosas na época.

A sociedade egípcia de então, como hoje, era dividia-se em várias classes sociais, e a agricultura era importantíssima para a sobrevivência social. O agricultor era obrigado não só a pagar impostos para os governantes, gerando riquezas, como também a trabalhar nas obras públicas, que também contavam com mão de obra escrava. 

A exposição mostra, além de peças da época, maquetes grandes de pirâmide, filmes sobre monumentos e construções em 3D, de forma lúdica ajudando a compreender como era o Egito antigo.

A entrada é grátis, mas, para evitar filas, o interessado em ver a exposição precisa agendar o horário de visitação pelo site http://bit.ly/EgitoNoCCBBSP.

A exposição Egito Antigo: Do Cotidiano à Eternidade ficará em cartaz de 19 de fevereiro a 11 de maio, todos os dias, exceto às terças-feiras, das 9 às 21 horas, no Centro Cultural Banco do Brasil (Rua Álvares Penteado, 112, Centro, em São Paulo, próximo à estação São Bento do Metrô). 

Referências e entrevista com o curador:
https://jornal.usp.br/cultura/exposicao-vai-mostrar-mumia-egipcia-de-3-500-anos/
https://catracalivre.com.br/agenda/exposicao-egito-antigo-ccbb-rio-de-janeiro/
https://www.facebook.com/ccbbsp/videos/219630139215602/
https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/o-que-fazer-no-rio-de-janeiro/noticia/2019/10/12/o-ccbb-faz-30-anos-e-mostra-no-programao-que-o-egito-e-aqui.ghtml

postado sob 2020, arte, EM

Já é uma tradição: todo ano, o professor Renato Izabela fecha seu curso de História da Arte do Ensino Médio propondo aos alunos do 3º EM do Ítaca um grande grafite em alguns muros do Colégio.

A turma discute, decide, planeja. E a obra se inicia. Coletiva em uns momentos; individual em outros

Na verdade, além de um trabalho de criação e integração bem como de ocupação de um espaço da escola, é uma proposta atrelada ao final do curso de 3 anos, momento em que se estuda o início dessa manifestação artística em Nova Iorque, com Basquiat; o grafite no Brasil, com Alex Vallauri, e o caminhos dessa arte desde o grupo Tupi Não Dá (anos 80) até os hoje consagrados Os Gêmeos, Zezão, Prozac, Ciro Seu, entre outros.

O bônus é a turma deixar sua marca e sua despedida por um ano inteiro  nos muros do Colégio (até a próxima turma se formar). Efêmera sim, mas expressiva, rica e significativa ...

Vejam algumas imagens da turma de 2019!

+22

“O segredo da vida é o solo, porque do solo dependem as plantas, a água, o clima e nossa vida. Tudo está interligado. Não existe ser humano sadio se o solo não for sadio e as plantas, nutridas”

A afirmação, em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, é de Ana Maria Primavesi, austríaca de nascimento, que adotou o Brasil há mais de 70 anos.

Ana, considerada pioneira da agroecologia no Brasil, faleceu no dia 05/01/2020. Nascida em 3/10/1920, foi criada no campo e formou-se engenheira agrônoma em seu país de nascimento. Durante a Segunda Guerra Mundial,  emigrou para o Brasil com seu marido Artur Primavesi, e  vivendo em diversos lugares, entre eles Minas Gerais, São Paulo e Rio Grande do Sul. 

Ao longo da carreira, Ana Maria acumulou uma extensa produção de textos técnicos e artigos científicos, além de colaborações com a imprensa: publicou 94 artigos científicos no Brasil e em revistas internacionais, escreveu 11 livros e colaborou em inúmeras outras publicações.

Seu trabalho de maior influência é o livro Manejo Ecológico do Solo, lançado em 2002, que revolucionou a agricultura ecológica tropical na América Latina. Nesta obra, salienta a importância de restabelecer o equilíbrio entre o solo, organismos do solo, plantas, animais e seres humanos. 

Pelo seu extenso conhecimento, talento para inspirar pessoas, ideias inovadoras, ações decisivas e explicações espirituosas, Ana teve enorme influência no movimento orgânico da América Latina e,portanto, pertence aos pioneiros globais da agricultura orgânica.

Foi cofundadora de várias organizações como a AAO (Associação de Agricultura Orgânica) e do MAELA (Movimiento Agroecológico Latinoamericano) e desempenhou um papel fundamental na construção da International Federation of Organic Agriculture Movements (IFOAM) na América Latina. Recebeu inúmeros prêmios, e foi a primeira brasileira a receber, em 2012, o One World Award, principal título de agricultura orgânica mundial, conferido pelo IFOAM. O prêmio do MAELA, concedido a cada dois anos, tem seu nome – Ana Primavesi Award.

Ana dedicou a vida a ensinar como é possível aliar a produção de alimentos à conservação do meio ambiente, nunca se esquecendo do pequeno produtor e de suas necessidades.

Quem quiser conhecer um pouco mais do trabalho de Ana Maria Primavesi pode acessar o site dedicado à obra da agrônoma, elaborado por Virginia Mendonça Knabben. Ao falar sobre os 98 anos de sua biografada, Virginia a definiu como “a primeira mulher a afirmar, em um meio exclusivamente masculino, que o solo tem vida.” É “aquela que nos aproximou de nós mesmos pela origem de tudo, a terra, e integrou saberes”.

O seu legado, no sentido de estimular uma agricultura saudável, sistêmica, cuidando da saúde e da vida do solo, terá continuidade pelas mãos de seus filhos, Carin e Odo Primavesi, além de lavradores, pesquisadores, engenheiros agrônomos, técnicos agrícolas, professores e ativistas da agroecologia, inspirados em seus conhecimentos.

Referências:
https://emais.estadao.com.br/blogs/alimentos-organicos/ana-maria-primavesi-virou-semente-em-solo-vivo/
https://razoesparaacreditar.com/brasileira-premio-agricultura-organica/
https://anamariaprimavesi.com.br
https://revistagloborural.globo.com/Noticias/Cultura/noticia/2019/10/ana-primavesi-tem-producao-reunida-em-site.html
http://aao.org.br/aao/ana-primavesi.php
https://www.facebook.com/anamariaprimavesi/

 

fechar