.>
Alguns conteúdos desta seção estão disponíveis apenas para quem estiver logado.
Caso tenha acesso, faça seu login aqui

Acontece, esta semana em Bonn, Alemanha, a reunião promovida pela Plataforma Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES, na sigla em inglês). 
 
A Plataforma, que foi criada em 2012, com o envolvimento da UnescoFAOPNUD e ONU Meio Ambiente, tem o objetivo de fornecer conhecimento científico para embasar políticas e tomadas de decisão sobre biodiversidade, serviços ecossistêmicos e desenvolvimento sustentável no mundo.
 
Nesta etapa, o Brasil conta com 4 representantes nos grupos de trabalho e forças-tarefa, entre eles Debora Drucker, ex-aluna do Ítaca e analista da Embrapa Informática Agropecuária, designada pelo Itamaraty para fazer parte de uma das cinco forças-tarefas do 2º Programa de Trabalho do IPBES, previsto para o período de 2019 a 2022. Ela vai atuar na força-tarefa sobre Dados e Conhecimento. 

Esta primeira reunião vai dar início ao desenvolvimento do plano de implementação do Programa de Trabalho, identificando oportunidades de colaboração com as outras quatro frentes: Capacitação de Profissionais, Conhecimento Indígena e Local, Cenários e Modelos e Ferramentas Políticas e Metodologias.

A indicação de Debora Drucker também foi referendada pela Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (BPBES), iniciativa nacional que lançou em setembro o 1° Diagnóstico Brasileiro de Biodiversidade & Serviços Ecossistêmicos, do qual a analista é uma das autoras. 

 

 

 

fechar