.>
Alguns conteúdos desta seção estão disponíveis apenas para quem estiver logado.
Caso tenha acesso, faça seu login aqui
postado sob cultura, história, Ítaca

Texto do Professor Cayo Candido Rosa (Estudos Áfricos EF2) publicado no blog do Estadão

Os olhares curiosos atravessavam os corredores: a mãe de uma aluna do sexto ano traria um conhecido para falar sobre sua cultura. A notícia já havia sido anunciada semanas antes, porém um feriado prolongado e a avalanche de tarefas acumuladas fizeram com que boa parte das crianças se esquecessem de que, naquela manhã de quinta-feira, horário reservado para as aulas de Estudos Áfricos, Timóteo Daco daria uma palestra sobre seu país de origem, Moçambique.

O despertar da memória se misturava ao despertar do interesse, à medida que os alunos pegavam cadernos, lápis e canetas multicoloridas, além de uma atividade já feita sobre o país africano. “Então foi por isso que fizemos a pesquisa sobre Moçambique?”.

Ainda que bem feita, a pesquisa fria, distanciada e, até mesmo, factual jamais substituiria o encontro com Timóteo, que falou de sua terra natal e de seu passado, suas línguas, seus ícones, símbolos culturais e identidades, sempre com muita saudade, palavra comum ao português falado tanto aqui quanto lá, além, é claro, de outras 41 línguas reconhecidas (e a linguagem de sinais) como o BiTonga e o EChuwabodialetos antes proibidos sob a obrigação da língua oficial do colonizador e agora aceitos e perpetuados.

Daco falou não só sobre figuras políticas do passado de Moçambique, mas também de personalidades artísticas como o recentemente falecido escultor Naftal Langa e o premiado escritor Mia Couto. Explicou sobre as diferenças das escolas no campo e na cidade, falou das belas cidades litorâneas, baseadas em turismo, destacou pratos da culinária típica moçambicana como o matapa, feito na folha de mandioca e acompanhado de molho à base de leite de coco e amendoim pilado, e contou a história da capulana, tecido de origem asiática muito usado em seu país como lenço para cobrir o cabelo, toalha de piquenique ou, até, como uma bolsa para carregar um bebê no colo ou nas costas.

Ao final, as questões  desprovidas de preconceito e recheadas de inocência deram a Timóteo mais uma oportunidade de mostrar para as crianças que Moçambique, como qualquer outro país, não é tão diferente assim do Brasil e que, como toda nação, é povoado de riquezas culturais, símbolos nacionais e, obviamente, contradições.

“Qual o seu esporte favorito?”

“Do que você sente falta?”

“Fale mais sobre a comida!”

“Como é a vida lá?”

A essas e a muitas outras perguntas ele respondeu com seu sotaque típico do “português de Portugal” – “Ora, depende… em geral as pessoas acordam, tomam café, vão ao trabalho ou à escola…” -, fazendo com que as crianças rissem em vários momentos, quando se identificavam com a mesma rotina nos dois países.

Fruto de um desejo de estudar de modo mais aprofundado a História e a Cultura afro-brasileiras, a disciplina Estudos Áfricos, incorporada ao currículo do Colégio Ítaca há quase dez anos, busca também desmistificar a ideia do continente africano como um bloco único, banhado de estereótipos e visões acríticas (a esse respeito ver Lei federal nº 10.639/03).

Atividades como a palestra de Timóteo Daco aproximam os alunos de uma realidade que já está muito mais próxima a eles do que imaginam, e a troca cultural – seja entre os dois países ou, mesmo, nesse breve encontro entre os alunos do sexto ano e um visitante moçambicano – enriquece o amadurecimento crítico de cada um, ao ver e compreender o outro em si mesmo.

“Do que você brincava quando era criança?” 

“Nadávamos num rio, sem medo, mesmo que cheio de crocodilos”, - respondeu Timóteo, sem especificar se brincava ou falava sério, deixando que os alunos levassem com eles o benefício da dúvida.

fechar