.>
Alguns conteúdos desta seção estão disponíveis apenas para quem estiver logado.
Caso tenha acesso, faça seu login aqui
CONTEÚDO PARCIALMENTE RESTRITO
FAÇA LOGIN
+15

E nasceu o Projeto Pirajussara, interdisciplinar (Biologia, Geografia, Química e História da Arte). O  1º EM, após breve questionário, foi em busca do passado e do presente dos rios paulistanos. 

O foco
As bacias hidrográficas próximas à escola, essencialmente a do Rio Pirajussara, nosso vizinho: dividida em 5 trechos, para 5 grupos de estudo. 

As maquetes e o perfil
Com uma carta topográfica de cada trecho e uma foto de satélite como referência, o cuidado era reproduzir exatamente a quantidade de curvas de níveis ali existentes, com clara delimitação dos vales e rios da bacia.
Para o perfil, um pequeno gráfico de acordo com as curvas de nível do trecho em questão, com legendas para a vegetação e a ocupação humana.

Em campo
Ao longo da bacia hidrográfica do Pirajussara, caminhamos desde a USP (Cidade Universitária, campus Butantã) até o Parque da Chácara do Jóquei, passando pela avenida e portões do Colégio, acompanhando o curso desse rio principal da bacia, com pequeno desvio na Praça dos Lagos (Vila Sônia). E, em meio a fotos, observações e reflexões, coletamos água para análise, em 6 paradas, possibilitando-se uma análise comparativa da qualidade da água em diferentes pontos do Pirajussara e afluentes, como  o Córrego Caxingui(turbidez, PH, nível de amônia, temperatura e presença de coliformes). 

Isso, com olhos também nas alterações de relevo.

O encontro
Para além da percepção dos cheiros e imagens dessas águas, do entorno da bacia e dos bairros, andar a pé por São Paulo (incomum para os adolescentes hoje), permitiu cenas já esperadas (trânsito, poluição do  rio e do ar...) mas também as inesperadas ( profusão de flores vivendo na margem do rio...).

Certamente essa cidade e essas águas tão cotidianas e tão invisíveis no dia a dia aproximaram-se desses alunos e conseguiram se tornar presentes. 

        

 

 

fechar