.>
Alguns conteúdos desta seção estão disponíveis apenas para quem estiver logado.
Caso tenha acesso, faça seu login aqui
postado sob 2019, cultura, EF2, EM, evento

Jogo de tchoukball (com jogadores da Seleção Brasileira de Tchoukball), workshops, apresentação de coreografia, corrida de regularidade, performance, dança folclórica húngara, apresentação musical, capoeira e maculelê, canto de Malunga, além de exposições e do Bookcrossing (troca de livros do Projeto Ler é legal). Tudo isso aconteceu no Expressão, Corpo e Cultura, no sábado, dia 09/11/2019.

Publicaremos, em seguida, galerias fotográficas com mais imagens dos trabalhos.

+21

Acontece, esta semana em Bonn, Alemanha, a reunião promovida pela Plataforma Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES, na sigla em inglês). 
 
A Plataforma, que foi criada em 2012, com o envolvimento da UnescoFAOPNUD e ONU Meio Ambiente, tem o objetivo de fornecer conhecimento científico para embasar políticas e tomadas de decisão sobre biodiversidade, serviços ecossistêmicos e desenvolvimento sustentável no mundo.
 
Nesta etapa, o Brasil conta com 4 representantes nos grupos de trabalho e forças-tarefa, entre eles Debora Drucker, ex-aluna do Ítaca e analista da Embrapa Informática Agropecuária, designada pelo Itamaraty para fazer parte de uma das cinco forças-tarefas do 2º Programa de Trabalho do IPBES, previsto para o período de 2019 a 2022. Ela vai atuar na força-tarefa sobre Dados e Conhecimento. 

Esta primeira reunião vai dar início ao desenvolvimento do plano de implementação do Programa de Trabalho, identificando oportunidades de colaboração com as outras quatro frentes: Capacitação de Profissionais, Conhecimento Indígena e Local, Cenários e Modelos e Ferramentas Políticas e Metodologias.

A indicação de Debora Drucker também foi referendada pela Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (BPBES), iniciativa nacional que lançou em setembro o 1° Diagnóstico Brasileiro de Biodiversidade & Serviços Ecossistêmicos, do qual a analista é uma das autoras. 

 

 

 

postado sob 2019, cultura, EM, Idiomas

Conhecer uma língua é conhecer o universo que ela traduz, é penetrar a cultura e as construções do/s grupo/s social/is que a utiliza/m, é tornar possível o encontro com a produção literária e artística de determinado povo, sem a intermediação de uma tradução... e por aí vai. E, em meio a isso, é também, ou principalmente, a forma de comunicar-se com outras pessoas, mundo afora. 

No ÍTACA, é pensado assim o aprendizado de Línguas (O INGLÊS e o ESPANHOL como estrangeiras, e o PORTUGUÊS): o idioma torna-se mesmo vivo e atuante. Torna-se possível de verdade. Torna-se desenvoltura.

Nesse contexto, a professora Danielle Corrêa, do Curso de Espanhol, projetou uma ação de uso efetivo do idioma, em situação comunicativa real: nossos alunos da sua Turma Avançada (Ensino Médio) trocaram correspondência com estudantes (Ensino Médio) do Colégio NOVO PÁTIO (Santa Teresinha, SP), exclusivamente nessa Língua, durante alguns meses. Mas, depois de algum tempo, sentiu-se falta da presença física, da troca pessoal, presencial. E assim nasceram o piquenique e uma tarde de conversas e risadas e companheirismo. Tudo também em Espanhol (com socorros do Português, claro).

A Língua em uso

O encontro se deu nos gramados do Centro Cultural São Paulo, na Rua Vergueiro, em tarde de setembro. E que novas amizades se firmem a partir desse encontro! 

Aqui, alguns registros desse momento.

+2
fechar